Biografia

Edu Krieger é um dos maiores compositores da atualidade. Desde o lançamento do primeiro disco, em 2006, emplacou dezenas de sucessos, nas vozes de Maria Rita (“Novo amor”, “Maria do Socorro” e “Ciranda do mundo”), Ana Carolina (“Combustível”, “Pra tomar três”, “Resposta da Rita”, “Esperta” e “Libido”), Roberta Sá (“Novo amor”), Maria Gadú (“No pé do vento”), Teresa Cristina (“Guardo em mim”), além de Pedro Luís e a Parede, Casuarina, Ara Ketu, Falamansa, Pedro Miranda, Ryta de Cássia, Sururu na Roda, Moyseis Marques, Silvia Machete, Trio Nordestino, Bangalafumenga, Aline Calixto e vários outros.

É reconhecido pelo talento como intérprete e instrumentista. Levou suas canções em shows por todo o Brasil, nas principais capitais e no interior do Rio de Janeiro e das regiões Sul e Nordeste. Sua obra revela uma aguda percepção do cotidiano urbano, traduzida em melodias memoráveis e singelas. As letras, segundo o compositor, “são simples, objetivas e diretas, têm uma construção poética rigorosa, na questão das rimas e de buscar palavras inusitadas, mas são, em geral, de fácil compreensão, e fáceis de cantar”.

Fez uma parceria com Oscar Niemeyer, o samba “Tranquilo com a vida”. Entre outros parceiros, destacam-se Geraldo Azevedo, Fernando Brant, Zé Paulo Becker, Rodrigo Maranhão, Roberta do Recife, Marcelo Caldi e Accioly Neto.

Em harmonia com as tendências contemporâneas, Krieger partiu do legado da MPB para dialogar com o pop, o funk e a música eletrônica, e outros ritmos. Nascido no Rio de Janeiro, aprendiz nas rodas de samba de Eduardo Gallotti nos anos 1990, o compositor uniu às influências do gênero carioca a música nordestina. Neto de paraibanos, foi baixista e compositor do legendário grupo de forró Paratodos, além de ter acompanhado artistas como Elba Ramalho, Zé Ramalho, Geraldo Azevedo, Alceu Valença e Sivuca. A formação erudita, por sua vez, vem por parte do pai, o maestro Edino Krieger.

Prêmios
Krieger conquistou o bicampeonato do Concurso de Marchinhas da Fundição Progresso (2009 e 2011), primeiramente com “Bendita baderna”, e depois com “Nossa fantasia”, ambas eleitas em votação nacional, realizada pelo “Fantástico”, da TV Globo. Em 2013, ganhou o vice-campeonato do mesmo concurso. No mesmo ano, levou o Prêmio Contigo de Música na categoria melhor canção voto popular com “Combustível”, parceria de Ana Carolina.

Ganhou o Prêmio Shell de Teatro 1998 de melhor música, com as composições da peça “O auto da Compadecida”, de Ariano Suassuna, direção de Antônio Abujamra. Para o cinema, compôs a canção original do longa “Mulheres sexo verdades mentiras”, de Euclydes Marinho, além de ser co-autor de músicas dos filmes “Feliz Natal” e “O palhaço”, dirigidos por Selton Mello, entre outros.

Dicionários
http://www.dicionariompb.com.br/edu-krieger
http://pt.wikipedia.org/wiki/Edu_Krieger